Dia das mães: troco meu presente por respeito

Troco meu conjunto de panos de prato pelo respeito à minha escolha de querer ou não ser mãe. O corpo é meu, portanto, o direito de escolha sobre o que fazer com ele deveria ser meu também.
 
Troco meu jogo de panelas pelo respeito que os médicos deveriam ter comigo ao me informar, de forma verdadeira e com bases sólidas e científicas, sobre a melhor opção de como parir meu filho. Troco cada uma das panelas do meu conjunto por um parto respeitoso, sem violências e intervenções desnecessárias em mim e no meu filho.
 
Troco meu par de sapatos pelo respeito que a sociedade deveria ter sobre a amamentação: respeito pela amamentação em locais públicos sem discriminação ou repreensão, pelo acolhimento que as mães que sentem dificuldades em amamentar deveriam ter, por uma licença maternidade que respeite o tempo mínimo de aleitamento exclusivo por seis meses, recomendado pela OMS, e extensiva a todas as mulheres.
 
Troco meu estojo de maquiagem pelo respeito e empatia que a sociedade deveria ter com o meu novo corpo após o parto. Troco cada batom pelo direito de ter as medidas que bem entendo sem ser questionada, julgada ou estereotipada por isso.
 
Troco minha máquina de lavar louça pela divisão igualitária das tarefas domésticas e da criação do meu filho com o meu companheiro. Troco todos os eletrodomésticos que existem pela igualdade entre homens e mulheres. Pela igualdade de oportunidades, de direitos, de tratamento e de respeito.
 
Troco meu vaso de flores por empatia e sororidade. Troco cada rosa pelo respeito que as mulheres, mães ou não, deveriam ter por mim e pelas minhas escolhas.
 
Troco meus brincos pela compreensão e cumplicidade que deveria unir as mulheres em oposição à rivalidade que, desde novas, aprendemos a ter umas com as outras.
 
Troco minha bolsa pelo fim da culpa que a sociedade insiste joga em cima de nós e da romantização em torno da função de mãe.
 
Troco meu vestido por respeito.
 
Troco meu colar por respeito.
 
Troco todas as homenagens ligadas a uma data meramente comercial pelo respeito e apoio que a sociedade deveria dar a cada mulher que se torna mãe.
 
Dia das mães é todo dia. Todo dia é dia de lutar, apoiar, amparar, acalentar, acolher, ajudar e respeitar mães. Todo santo dia.